FORMIGA

Os insetos são predominantes entre todas as espécies sobre a face da terra. E quem domina esse vasto e estranho mundo formado por pequenos seres são as formigas (Ordem Hymenoptera), que se distribuem por todos os continentes, exceto os pólos. Acredita-se que devem existir no mundo o dobro das 10.000 espécies descritas até hoje, no Brasil são cerca de 2.000 espécies.

Biologia

As formigas são insetos sociais que vivem em colônias onde há sobreposição de gerações (várias gerações convivendo no mesmo ninho), cuidado cooperativo à prole (alimentação e proteção da cria) e divisão de trabalho produtivo. São onívoras, alimentando-se do que encontram, seja doce, animal ou vegetal e, no caso de algumas espécies, fungos. As diferenças entre as diversas espécies são acentuadas, variando desde hábito até tamanho. As colônias são de porte médio a grande, podendo ter muitas rainhas, e apresentam tanto indivíduos adultos quanto pupas, larvas e ovos. Entre os adultos, as formas aladas correspondem aos machos e fêmeas sexuados e as formas ápteras (operárias) são fêmeas estéreis, que constituem a grande maioria dos indivíduos da colônia. As operárias podem ser monomórficas (mesmo tamanho) ou polimórficas (dois ou mais tamanhos), sendo as maiores responsáveis pela defesa, e as menores pelas demais funções. Em geral as colônias são fundadas por uma fêmea alada, que, após fecundada por um ou mais machos, desce à terra, perde as asas e procura ou escava um abrigo, onde coloca os primeiros ovos. Com a emergência das primeiras operárias, estas passam a se encarregar das tarefas de busca de alimento, cuidado à prole, manutenção e ampliação do ninho e de defesa. Quando ocorre a morte da formiga rainha, a colônia é capaz de sobreviver somente alguns meses, porém, se houver mais de uma rainha numa mesma colônia, a morte dela não representa o fim da colônia, que pode durar eternamente.

Principais espécies

fantasmaTapinoma melanocephalum (formiga fantasma)

Apresenta operárias pequenas de cabeça escura e abdome pálido, que fazem trilhas irregulares, andam rápido e em ziguezague. Seus ninhos são feitos dentro e fora de residências, atrás de azulejos, batentes e rodapés. As colônias contêm várias rainhas e milhares de operárias que não picam, e são recrutadas rapidamente quando alimento é encontrado, tendo preferência por alimentos adocicados. Os ninhos são pouco estruturados, não se fixam em um lugar por muito tempo e gostam de umidade.

formiga loucaParatrechina sp. (formiga louca)

O nome “louca” foi atribuído devido ao andar irregular dessas formigas desse gênero, quase em semicírculos, aparentando não ter sentido de direção. Possuem antenas bastante longas, um tipo de “nó” na cintura, coloração variada que vai do marrom escuro ao preto e não picam. Costumam fazer seus ninhos fora e dentro de prédios, atrás de pedras usadas em revestimentos de paredes e atrás de janelas, que podem ser localizados seguindo as operárias.

faraoMonomorium sp. (formiga-faraó)

Apresentam coloração amarelada ao marrom claro. Fazem ninhos em pequenas cavidades somente em ambientes domésticos e preferem alimentos ricos em gorduras e substâncias doces. Formam trilhas em linha reta e seus movimentos não são muito rápidos. Representam um risco potencial para a saúde pública, especialmente quando ocorrem em hospitais, pois são vetores mecânicos de bactérias que possibilitam infecções, podendo também infestar berçários. Podem infestar aparelhos eletrônicos. É considerada uma das espécies mais difíceis de ser controlada, pois é altamente dominante sobre outras espécies e a colônia tem crescimento rápido.

argentinaLinepithema humile (formiga argentina)

Essa espécie ocorre com maior frequência nos estados da região sul do Brasil. Nos países de clima temperado é muito comum dentro de residências e hospitais. Apresentam um “nó” na cintura e sua cor varia do marrom escuro ao preto. É comum ver rainhas na trilha e não picam. Geralmente fazem ninhos perto de fontes de alimentos e de umidade, como vasos de plantas, pias e encanamentos, além disso, dão preferência a alimentos adocicados.

fogoWasmannia auropunctata (formiga de fogo)

As operárias são pequenas e de cor marrom claro dourado. Geralmente constroem ninhos na área externa, no solo, no interior ou sob a casca de árvores, podendo construir nas regiões mais altas das árvores ou em estruturas de residências. Sua picada é muito dolorosa e o veneno pode causar alergias. São atraídas por carne e óleo e podem infestar roupas, camas e berços.

lavapesSolenopsis sp. (formiga lava-pés)

Originárias da América do Sul, várias espécies são denominadas formigas lava-pés, o que as torna de difícil identificação. A coloração varia do amarelo claro até o preto brilhante e os tamanhos também são variados. Alimentam-se de plantas, animais e alimentos domésticos, sendo atraídas por substâncias oleosas. Fazem ninhos (montículos de terra solta) em áreas externas que, quando mexidos, mobilizam grande quantidade de operárias que ferroam dolorosamente. Sua picada é dolorida, provoca bolhas, alergias e até choque anafilático.

carpinteiraCamponotus sp. (formiga carpinteira)

Existem mais de duzentas espécies desse gênero, de diferentes regiões. Apresentam operárias de vários tamanhos, e um colorido que vai do amarelo ao preto. Podem construir ninhos tanto fora (cavidades no solo e em árvores) como dentro de residências (móveis, portas, paredes, rodapés, forros, batentes de janela e eletrodomésticos). Sua alimentação é, de preferência, adocicada, podendo ser até de carne e ovos, e podem carregar alimentos na mandíbula. Algumas espécies têm hábitos noturnos.

cabecudaPheidole sp. (formiga cabeçuda)

Este gênero é originário da África tropical. As operárias podem variar entre menores, a maioria, e maiores e cabeçudas, que são chamadas de “soldados”. A coloração varia do avermelhado ao marrom. Em geral, fazem seus ninhos no solo, fora de residências, porém são as primeiras a aparecer em casas recém-construídas, nidificando dentro de rodapés. Os ninhos podem ser localizados facilmente seguindo as trilhas das operárias. Alimentam-se de produtos ricos em proteínas e sucos de frutas.

acrobaticaCrematogaster sp. (formiga acrobática)

As operárias são todas do mesmo tamanho e a coloração varia desde o vermelho ao marrom escuro. São lentas e geralmente formam trilhas retas. Podem fazer ninhos em residências, no interior ou exterior de objetos de madeira e paredes de alvenaria. Alimentam-se de doces, manteiga e carnes. Quando se sentem ameaçadas, levantam o gáster (cauda) que, visto de cima, tem formato de coração.

sauvaAtta sp. (formiga saúva)

As saúvas são originárias do continente americano. As operárias apresentam vários tamanhos, sendo divididas em: jardineiras (menores e com função de triturar os pedaços de vegetais, colocando-os à disposição dos fungos), cortadeiras (com tamanho médio e função de cortar e carregar os fungos para o formigueiro) e soldados (maiores e com cabeça bastante grande, têm como principal função a de proteger a colônia). No formigueiro há apenas uma rainha, chamada de içá ou tanajura, que é bem maior que o restante dos membros do formigueiro e que, quando morre, leva a morte do restante do formigueiro em poucos meses. Seus ninhos geralmente são facilmente visualizados, formados por montes de terra solta, nos quais podem ser observados vários orifícios (olheiros), que dão acesso ao interior do ninho, podendo ser feitos em locais sombreados ou ensolarados. Alimentam-se basicamente da seiva que as plantas liberam enquanto são cortadas. Cultivam fungos, que é o principal alimento das rainhas e das larvas e é complemento no alimento das operárias.

quenquenAcromyrmex sp.  (formiga quénquen)

As operárias apresentam tamanhos e cores variados. Algumas espécies fazem o ninho superficialmente coberto de palha, fragmentos e resíduos vegetais, o que dificulta a visualização. Já outras, preferem fazer o ninho subterrâneo. Cortam principalmente florestas cultivadas de eucaliptos e de pinus, além de citrus, para produzirem fungos.

Danos causados

Formigas incomodam muito em residências por causarem prejuízos em eletrodomésticos, infectarem alimentos e provocarem desconforto e alergias quando picam pessoas e animais de estimação. Além disso, constituem uma grande fonte de contaminação em hospitais, infectando instrumentos médicos, centros cirúrgicos e berçários. Causam prejuízos também na agricultura, tanto na produção como no armazenamento dos produtos..

Bibliografia

 www.biota.org.br

www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/Infantil/topo.htm