CARRAPATOS

Carrapatos são artrópodes ectoparasitas de vertebrados terrestres pertencentes à Ordem Acari. São conhecidas cerca de 825 espécies bem distribuídas no mundo, e no Brasil foram identificadas 55 espécies.

Biologia

Os carrapatos são achatados dorsoventralmente (em jejum), apresentam contorno oval ou elíptico, e são revestidos por tegumento coreáceo e distensível, além de serem os maiores representantes de sua ordem. Alimentam-se principalmente de sangue (hematofagia), mas também de linfa e restos tissulares presentes na pele do hospedeiro. Isto se dá pela alta especialização destes artrópodes ao parasitismo por possuírem peças bucais adaptadas que perfuram e penetram na pele, a fim de obter o alimento. Dadas as particularidades de seus hábitos alimentares, constituem hoje o segundo grupo em importância de vetores de doenças infecciosas para animais e humanos, e entre os microrganismos transmitidos incluem-se vírus, bactérias, protozoários e helmintos. Podem permanecer fixados à pele do hospedeiro por dias e semanas, secretando uma saliva que impede a coagulação sanguínea e as reações imunológicas do organismo no local da fixação. A saliva possui também substâncias vasoativas, que induzem a vasodilatação local, facilitando a ingestão de sangue, e a transmissão de patógenos do carrapato para o hospedeiro se dá basicamente através deste veículo.

Dada a maior importância médico-veterinária da família Ixodidae no Brasil, as informações biológicas descritas a seguir são características dessa família. Todos os carrapatos da família Ixodidae passam por quatro estágios em seus ciclos de vida (ovo-larva-ninfa-adulto). Com exceção dos ovos, todos os estágios precisam parasitar um hospedeiro para dar sequência ao ciclo, sendo que se desprendem do hospedeiro para o ambiente antes de cada muda, escolhendo uma nova vítima quando estão prontos para se alimentarem novamente. Ao eclodirem dos ovos, as larvas são de tamanho bastante reduzido (em torno de 0,5mm). Ao parasitarem um hospedeiro, fixam-se a sua pele por alguns dias, quando se ingurgitam de sangue tornando-se abauladas, mas com tamanho ainda bem reduzido (em torno de 1 a 2mm de comprimento). Uma vez alimentadas, as larvas realizam em alguns dias ou semanas, a muda para o próximo estágio, as ninfas. Estas, quando não alimentadas, são basicamente do mesmo comprimento das larvas ingurgitadas que lhes deram origem. No entanto, ao parasitarem um hospedeiro, se ingurgitam de sangue em alguns dias, tornando-se abauladas e de tamanho variando entre 3 e 10mm, dependendo da espécie. Uma vez alimentadas, as ninfas ingurgitadas realizam uma muda para o estágio adulto, último do ciclo. Ao parasitarem o hospedeiro, as fêmeas de ingurgitam em dias ou semanas e, depois de fertilizadas pelos machos em cima do hospedeiro, podem atingir tamanhos variando de 0,5 a 30mm de comprimento, tornando-se mais facilmente detectáveis sobre o hospedeiro. Uma vez ingurgitadas, as fêmeas se desprendem do hospedeiro para o ambiente, onde procuram locais escondidos, com temperaturas mais frescas e umidade elevada (embaixo de coberturas vegetais, frestas, etc), onde irão colocar milhares de ovos dando início a uma nova geração. Cada fêmea pode colocar de 1000 a 20000 ovos, variando conforme a espécie e o tamanho da fêmea ingurgitada sendo que, de modo geral, o número de ovos postos está diretamente relacionado ao tamanho da fêmea ingurgitada. Os ovos podem ser depositados em qualquer espaço, por menor que pareça, como fendas e rachaduras dentro e fora das casas, em rodapés, batentes e peitoris de janelas, etc. Ao término da postura, as fêmeas morrem, encerrando uma geração de carrapatos. De cada ovo colocado, nasce uma larva, iniciando-se um novo ciclo. Carrapatos podem entrar nas residências em animais infestados, onde geralmente são encontrados atrás da orelhas ou entre os dedos, nas patas, mas também podem ser encontrados em plantas, à espera de um hospedeiro.

carrapatoPrincipais espécies

A família Ixodidae engloba a maioria das espécies de carrapatos do Brasil, dentre eles os de maior importância médico-veterinária, como já dito anteriormente. Os gênerosBoophilusAnocentor e Rhipicephalus, são os principais encontrados em bovinos, equinos e cães, respectivamente. Já o gênero Amblyomma abriga a espécie vetor da bactériaRickettsia rickettsii, responsável pela transmissão da febre maculosa, e pode ser encontrado em animais de grande porte, como bois e cavalos, mas também se aloja em cães, aves domésticas e roedores, especialmente na capivara, o maior de todos os reservatórios naturais.

Danos à saúde

Além de atuar como vetores de doenças, os carrapatos podem exercer por si só diversos efeitos deletérios no organismo do hospedeiro, que vão desde a anemia ocasionada por uma infestação maciça, a inoculação de toxinas que causam paralisia ascendente, eventualmente fatal. Obviamente, tais efeitos variam conforme a espécie de carrapato e a área geográfica. No caso da Febre maculosa, a vítima pode apresentar febre alta, dor de cabeça e lesões cutâneas semelhantes as do sarampo ou da meningite meningocócica. Com um diagnóstico precoce o tratamento é simples, a base de antibióticos, mas num estado avançado a doença pode ser letal.

 

Se seu bichinho de estimação se coça demais, isso pode ser sinal de infestação. Tratar apenas os bichinhos não é suficiente, a residência também deve ser tratada para conter todos os focos e prevenir futuras infestações.

 

Bibliografia

 http://www2.ufersa.edu.br/portal/view/uploads/setores/98/ENTOMOLOGIA/CARRAPATOS_AHID.pdf